Detran-MS é investigado por suspeita de fraudar concurso para ajudar apadrinhados políticos - PORTAL ANGÉLICA - Seu Portal de Notícias

21º min
34º min


Detran-MS é investigado por suspeita de fraudar concurso para ajudar apadrinhados políticos

Caso está na 31ª Promotoria do MPMS e pede revisão de todas as nomeações desde 2015 no órgão estadual

Publicado em: 18/09/2019 às 14h04

- midiamax

Sede do Detran-MS, em Campo Grande. (Marcos Ermínio, Midiamax)

O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) é investigado por suspeita de fraude em concurso público para favorecer apadrinhados por políticos que têm influência no órgão estadual. Segundo os indícios levantados na denúncia, uma ‘reclassificação’ no Concurso Público de Provas e Títulos para Ingresso no Quadro Permanente de Pessoal do Detran-MS realizado em 2014 alterou a ordem dos aprovados em março deste ano.

O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) já é investigado por servir como ‘cabide de empregos’ para aliados eleitorais do ex-diretor-presidente, deputado estadual Gerson Claro (PP). Agora, a 31ª Promotoria de Justiça de Campo Grande investiga improbidade administrativa porque o concurso teve nova ordem de aprovados estabelecida, mas faltou divulgação do resultado que alterou a classificação de centenas de candidatos.

Além disso, estariam sendo feitas nomeações sem respeitar a sequência da lista. A investigação tramita no MPMS como notícia fato sob o n.º 01.2019.00009617-2 e condução do promotor de Justiça Humberto Lapa Ferri. De acordo com o promotor, o procedimento foi recebido em 30 de agosto.

Conforme denúncia de participantes, teriam sido nomeados aprovados sem cumprimento da ordem de classificação. Apesar do concurso ter sido homologado somente em 2015, alguns dos aprovados nomeados como efetivos constam no Portal da Transparência do Governo do Estado desde o ano anterior. Segundo a denúncia, este seria indício de que o processo seletivo teria servido apenas para validar permanentemente a contratação dos comissionados.

Outro problema apontado é o de desrespeito à lista de aprovados. Em um dos casos, um servidor que exerce a função de agente de atividades de trânsito consta na lista de reclassificação em terceiro lugar. Entretanto, conforme os participantes do concurso, não consta publicada convocação do segundo colocado.