Coronavírus: estudo mostra maior mortalidade entre infectados tratados com cloroquina

Cerca de 28% dos pacientes que receberam a medicação morreram, enquanto as mortes foram de 11% entre os que receberam o tratamento usual

| MIDIAMAX/COTIDIANO


(Foto: Reprodução)

Uma pesquisa com hidroxicloroquina – medicamento usado para malária e citado frequentemente pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como um possível tratamento para coronavírus – não mostrou benefícios desse remédio contra a covid-19. A conclusão ocorreu em uma pesquisa abrangente em hospitais de veteranos do país, com 368 pacientes.

Houve mais mortes entre aqueles que tomaram a hidroxicloroquina do que entre os que receberam tratamento padrão para a doença, de acordo com os pesquisadores envolvidos na iniciativa. O estudo em âmbito nacional não foi um experimento rigoroso, mas é o mais abrangente até agora a analisar o medicamento, usado sozinho ou acompanhado do antibiótico azitromicina, contra a covid-19.

Cerca de 28% dos pacientes que receberam hidroxicloroquina mais o tratamento normal morreram, enquanto as mortes foram de 11% entre aqueles que apenas receberam o tratamento usual. Além disso, cerca de 22% daqueles que receberam hidroxicloroquina e também azitromicina morreram, ma a diferença entre esse grupo e aquele que recebeu tratamento padrão não foi considerada grande o suficiente para descartar outros fatores que podem ter influenciado.

A pesquisa foi postada online pelos pesquisadores e submetida para publicação no ao New England Journal of Medicine, mas não foi até agora revisado por outros cientistas. Ela foi financiado por bolsas do Instituto Nacional de Saúde e da Universidade da Virgínia.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE