Policial que matou esposa e suposto amante será levado a júri popular

O acusado vai aguardar o julgamento preso

| TOP MíDIA NEWS/NATHALIA PELZL


Crédito: Divulgação

Policial militar ambiental, Lúcio Roberto Queiroz da Silva, vai ser julgado pelo Tribunal do Júri, segundo decisão da juíza Nária Cassiana Silva Barros, da comarca de Paranaíba. Em outubro do ano passado, ele assassinou a tiros a própria esposa e o suposto amante dela.

Pela sentença de pronúncia, o acusado deve aguardar o julgamento preso, pois assim respondeu até o presente momento.

Investigações apontam que o policial cometeu o duplo homicídio após descobrir um suposto relacionamento entre os dois. Os crimes foram cometidos no dia 5 de outubro de 2019

De acordo com denúncia do Ministério Público, no dia dos crimes, por volta das 20h, o policial foi até uma residência onde estava o corretor de imóveis e matou-o, por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima.

Após o assassinato, o réu foi até outra residência e matou a esposa, também por motivo torpe, recurso que impossibilitou a defesa da vítima e por razões da condição do sexo feminino.

A denúncia relata que o policial e a esposa viveram juntos por 12 anos, enquanto o corretor de imóveis era casado também, tendo convivido com a esposa por cinco anos.

No dia dos crimes, o corretor e a mulher estavam na casa dos pais dela, em uma reunião familiar, enquanto o policial e a esposa participavam de outra confraternização.

A data do júri ainda não foi divulgada.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE