Tratamento que pode salvar Paulo Gustavo foi barrado no SUS, diz Ludimila Hajjar

Custo de cerca de R$ 30 mil teria sido um dos motivos

| TOP MíDIA NEWS/THIAGO DE SOUZA


Crédito: Reprodução Correio 24 horas

A médica cardiologista, Ludhmila Hajjar, explicou, neste domingo (4), que o tratamento conhecido como ECMO, foi barrado pelo SUS, em 2015. O procedimento, que custa cerca de 30 mil, foi adotado pela equipe médica que atende o humorista Paulo Gustavo e salva muitas vidas. 

Segundo dito por Hajjar à CNN Brasil, a ECMO é uma técnica usada há décadas para pacientes com pneumonias graves. Neste momento de pandemia, ela foi adaptada para tratar os doentes da covid-19. 

'[A técnica] tem dois objetivos: oxigenar e eliminar o gás carbônico do sangue e gerar repouso adequado ao paciente para que a gente recupere o pulmão', detalhou a médica, que já foi cotada para assumir o Ministério da Saúde. 

Ludhmila explicou que muita gente não tem a chance de ser tratada em uma ótima estrutura, como a que Paulo Gustavo tem acesso, nem de ter acesso ao ECMO. 

'Não se consegue fazer ECMO em alta escala no SUS’’, complementa a cardiologista, segundo o UOL. 

Ainda sobre a técnica, Ludhmila afirmou que a ECMO pode ser utilizado por diferentes períodos, que podem variar de 14 a 25 dias. 'É o tempo que o organismo precisa para se recuperar. Quando o paciente tem o pulmão inflamado pela covid, ele fica duro e cheio de água', explicou. 

À época, em 2015, a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS vetou a adoção desse tratamento na rede pública. Para Hajjar, o alto custo do procedimento, a efetividade do tratamento e as questões econômicas daquele momento teriam sido algumas das justificativas da Comissão. 

‘’... todos os profissionais de saúde da linha de frente têm pra contar várias histórias de pessoas que não tinham a menor chance de estarem vivas hoje, mas estão em suas casas porque tiveram a possiblidade de implantar a ECMO’’, apontou a médica. 

Humorista

Paulo Gustavo está internado desde o dia 13 de março, no Rio de Janeiro, em razão da covid. No dia 22 do mês passado ele precisou ser intubado. O quadro de saúde do ator piorou, mas depois apresentou considerável melhora, no início da semana passada.  

No entanto, neste final de semana, Paulo teve uma piora, o que gerou grande apreensão entre amigos e familiares.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE