Prefeita pagou assassinos de jornalista com dinheiro público, em MG

Roseli desviou R$ 20 mil de recursos da Saúde para pagar crime


Acusada de planejar a morte do jornalista Maurício Campos de Rosa, a prefeita do município de Santa Luzia, Minas Gerais, Roseli Ferreira Pimentel (PSB), teria desviado R$ 20 mil em recursos dos cofres públicos para pagar pelo assassinato do homem, segundo as investigações da Polícia Civil.

A Polícia divulgou as informações nesta segunda-feira (11). Roseli teria desviado recursos da Secretaria Municipal de Saúde de Santa Luzia, manobrando as contas para fingir que o dinheiro seria utilizado na compra de mamões para a Secretaria Municipal de Educação.

A prefeita está presa desde quinta-feira (7), por determinação do TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais), assim como três homens envolvidos no assassinato: David Santos Lima, Alessandro de Oliveira Souza e Gustavo Sérgio Soares Silva.

Com a denúncia de desvio de dinheiro público, Roseli deve responder, além do crime de homicídio, pelo crime de peculato. A prefeita ainda é indiciada pelo desaparecimento de pertences do jornalista no dia em que a vítima foi assassinada.

A prefeita já havia sido afastada do cargo, em junho deste ano, após ter sido condenada por abuso de poder econômico e político nas eleições de 23014, pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Roseli recorreu do afastamento, e voltou ao cargo duas semanas depois.

Crime

O assassinato de Maurício Campos Rosa, 64 anos, dono do jornal “O Grito, de Santa Luzia, distribuído gratuitamente na região, foi morto a tiros quando saía da casa de um amigo, à noite, em agosto do ano passado.

Maurício recebeu quatro disparos, um atingindo a nuca e três nas costas. Uma testemunha teria visto o ocorrido, porém entrou em estado de choque com o crime, e não conseguiu depor aos policiais.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE