Julho termina com queda de 52% em mortes por covid em MS

Mês registrou menos da metade dos casos de infectados em comparação com junho

| MIDIAMAX


MS termina o mês de julho com uma média móvel de 17,6 óbitos diários, a menor em quase cinco meses. - Ilustrativa/Henrique Arakaki/Midiamax

O mês termina neste sábado (31) contabilizando 625 mortes por coronavírus ao longo de julho em Mato Grosso do Sul. Apesar de ainda ser um número alto, o dado representa menos da metade dos óbitos registrados no mês anterior. Com relação às contaminações, MS também apresentou menos da metade dos casos de coronavírus confirmados em junho. 

Com o avanço da vacinação, o Estado apresentou uma melhora expressiva nos indicativos da pandemia e atualmente se encontra em estabilidade. Mato Grosso do Sul termina o mês de julho com uma média móvel de 17,6 óbitos diários, a menor em cinco meses. Para ter uma ideia da diferença, no dia 16 de junho, MS chegou a registrar uma média móvel de 56,2 mortes por dia.

Dados do boletim epidemiológico da SES (Secretaria de Estado de Saúde) mostram que ao longo do mês de julho, foram 625 mortes, contra 1.312 óbitos registrados no mês anterior. O dado representa uma queda de 52,3% no número de óbitos entre um mês e outro. 

No mês passado, Mato Grosso do Sul chegou ao pico de casos no dia 3 de junho, com 2.470 casos em 24 horas e uma média móvel de 2.003 casos diários. Agora, Mato Grosso do Sul termina o mês de julho com uma média móvel de 592,6 casos de covid por dia. 

O Estado fecha o mês com um total de 20.551 pessoas infectadas. O número representa menos da metade do mês de junho, que contabilizou um total de 44.686 contaminados pelo coronavírus.

O Estado tem apresentado melhora nos indicativos da pandemia, mas o cenário pode mudar completamente com a chegada da variante delta. Em entrevista ao Jornal Midiamax, o médico infectologista e pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Julio Croda, disse que há  preocupação com a variante delta. A variante é, pelo menos, 2 vezes mais transmissível do que a P1 (Gama) e, consequentemente, mais letal.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE