Guedes diz que inflação vai subir no Brasil e que teme impacto de risco político

Ele disse que há no País uma "turma" que perdeu as eleições de 2018, mas "não aceita o resultado"

| MIDIAMAX


Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira, durante entrevista à TV Bloomberg, nos Estados Unidos, que a inflação no Brasil vai subir, mas que haverá crescimento neste ano e em 2022. Um ano antes das eleições presidenciais, o chefe da equipe econômica também afirmou que teme o impacto do risco político nos mercados financeiros.

'Sim, a inflação vai subir, mas a política monetária está lá para conter a alta de preços', respondeu Guedes a uma pergunta sobre a pressão inflacionária no País. Segundo o ministro, metade da inflação brasileira vem atualmente dos preços de alimentos e da energia.

Guedes declarou que o Brasil tem um democracia 'vibrante', mas que há muito 'barulho político'. Ele disse que há no País uma 'turma' que perdeu as eleições de 2018, mas 'não aceita o resultado', em uma sugestão de que opositores tentam sabotar o governo.

Durante a entrevista, o ministro criticou as projeções para a economia brasileira, disse que as estimativas se provarão erradas e previu que o Produto Interno Bruto (PIB) do país crescerá 5,5% este ano. 'Crescimento não será problema. O problema é a inflação', declarou.

No Relatório de Mercado Focus mais recente, divulgado nesta segunda-feira, 11, houve manutenção da mediana das previsões para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2021, em 5,04%, mesma estimativa de quatro semanas atrás. Já o Fundo Monetário Internacional reduziu um pouco a projeção do crescimento do Brasil para 2021, da estimativa de 5,3% divulgada em julho para 5,2% agora.

De acordo com Guedes, o Brasil terá uma recuperação forte, após os efeitos da pandemia de covid-19, porque o avanço da vacinação permitirá que as pessoas voltem ao trabalho de forma segura. Ele também disse que a estrutura regulatória do País mudou e que, por isso, o Brasil está agora 'aberto a negócios'.

Guedes está nos EUA para participar de reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do grupo das 20 maiores economias do mundo (G20), do qual o Brasil faz parte. Mais cedo, o ministro também concedeu uma entrevista à CNN Internacional e falou sobre inflação, crescimento, pandemia e vacinação, empresas de offshore e o plano de crescimento verde para o País, que será apresentado na COP26, na Escócia, no mês que vem.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE