Vereador vítima de novo atentado na fronteira de MS está em estado grave

Vereador paraguaio precisou ser removido para um centro de saúde maior, devido aos ferimentos

| MIDIAMAX


(Foto: Reprodução/ ABC Color)

O atentado que matou Juan Bosco Gómez na manhã desta quinta-feira (13) em Capitán Bado, na fronteira com Coronel Sapucaia, ocorreu enquanto as vítimas tomavam tereré na calçada de uma residência. Uma das vítimas sobreviventes, o vereador paraguaio Ismael Valiente, precisou ser transferido para um centro de saúde devido à gravidade dos ferimentos.

Conforme o ABC Color, os pistoleiros chegaram na residência e, sem dizer uma palavra, dispararam vários tiros contra eles, de pistolas calibre 9mm. Após o ataque, eles fugiram rapidamente do local. O vereador seria o alvo dos pistoleiros.

A terceira vítima, que também foi socorrida, é um homem de 84 anos identificado como Hermenegildo López. Ele levou um tiro no braço e no rosto. Já Hermenegildo foi ferido com dois tiros na perna e o estado de saúde é considerado estável.

Após serem atendidos no Centro de Saúde de Capitán Bado, a morte de Juan Bosco Goméz foi confirmada pela Polícia Nacional. Ele foi atingido na cabeça e no tórax. Até o momento não existem informações sobre o que teria motivado o ataque.

A entrada da cidade de Porto Murtinho, a 454 quilômetros de Campo Grande, amanheceu nesta quarta-feira (13), com pichações de ameaças a policiais militares pela facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Entre o fim de semana e terça-feira (12), sete pessoas foram assassinadas na fronteira, entre elas o vereador Farid Afif e a filha do governador de Amambay. 

A pichação diz que um cabo da PM e um sargento são safados e faz ameaças aos dois militares. Em contato com o sargento, ele disse para o Jornal Midiamax, que há 1 mês cerca de oito postes próximos 300 metros de onde mora também foram pichados com as iniciais da facção.

O sargento ainda relatou que nunca sofreu um atentado nos 30 anos de carreira, mas que já comunicou a chefia imediata sobre a pichação e que vai registrar um boletim de ocorrência sobre o fato. 'Agora é ficar em alerta', disse o militar que foi responsável por várias prisões de membros da facção criminosa, na cidade.

O fim e início de semana foram marcados por várias mortes na fronteira de Mato Grosso do Sul. Na madrugada de sábado (9), quatro pessoas foram assassinadas com tiros de fuzil. Entre elas, a filha do governador de Amambay.

O vereador Farid Afif também foi executado a tiros, na noite de sexta-feira (8), em Ponta Porã, quando andava de bicicleta. Um vídeo que circulou na internet mostra o momento em que o pistoleiro em uma motocicleta passa e atira contra o parlamentar, que morre no local. 

Na manhã de terça (12), o suboficial da polícia paraguaia, Pastor Miltos, morreu após ser atingido por tirostambém no departamento de Amambay, no Paraguai.

O policial estaria ligado ao suplente de deputado Carlos Rubén Sánchez Garcete, conhecido como Chicharô, morto fuzilado com centenas de tiros no dia 7 de agosto deste ano, durante briga pelo domínio territorial em Capitán Bado, divisa com a cidade sul-mato-grossense Coronel Sapucaia.

Menos de 24 horas após a execução de Miltos,Hugo Ronaldo Acosta, de 32 anos, foi executado com 36 tiros de pistola 9 mm na noite desta terça (12).



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE