Maior ataque a tiros da história dos EUA mata 58 e deixa mais de 500 feridos em Las Vegas

Homem atirou do 32º andar do resort Mandalay Bay contra multidão que participava de festival de música country. Estado Islâmico reivindicou o ataque a tiros, que já é o mais letal da história moderna dos EUA.


Pelo menos 58 pessoas morreram e mais de 500 ficaram feridas após um homem atirar do 32º andar do Mandalay Bay, um famoso cassino e resort de Las Vegas (EUA), contra uma multidão em um festival de música na noite deste domingo (horário local, madrugada desta segunda em Brasília). A ação já é considerada o maior ataque a tiros da história dos Estados Unidos.

O massacre foi reivindicado pelo Estado Islâmico. O atirador, identificado como Stephen Paddock, de 64 anos, teria jurado lealdade ao grupo há alguns meses, segundo a Reuters, citando a agência Amaq, que é ligada aos extremistas.

Segundo a CNN, uma autoridade americana declarou que, em princípio, não havia encontrado conexões do incidente com grupos terroristas internacionais. Mais cedo, o xerife da polícia de Las Vegas, Joseph Lombardo, disse não acreditar se tratar de um ataque terrorista e afirmou que o atirador era um morador local, um "lobo solitário".

A primeira informação oficial era de que o suspeito havia sido morto por policiais. Mais tarde, no entanto, Lombardo afirmou que o atirador se matou antes da chegada das forças de segurança. Com ele, foram encontrados 10 rifles.

Foto de Stephen Paddock, suspeito de ter atirado contra multidão em Las Vegas, divulgada pelas redes CNN e a ABC (Foto: Reprodução JH/ G1)

Paddock teria começado a atirar por volta das 22h (horário local; 1h desta segunda, no horário de Brasília), na direção do Route 91 Harvest Festival, um festival de música country ao ar livre. Mais de 22 mil pessoas estavam no local. O número de vítimas ainda pode aumentar.

A polícia chegou a dizer que uma mulher chamada Marilou Danley, de origem asiática, tinha viajado com o suspeito. Pouco depois, investigadores informaram que ela "não é mais procurada". "Investigadores fizeram contato com ela e não acreditam que ela esteja envolvida com o tiroteio", disse a polícia em nota. Agentes procuram um Tucson, com placa de Nevada, que teria sido usado pelo atirador.

 



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE