Policial preso por usar efetivo da PM para fins pessoais

Briga de trânsito motivou “acerto de contas” que culminou em prisão de sargento


Desentendimento após acidente de trânsito terminou com sargento do Batalhão de Choque preso pela Corregedoria da Polícia Militar no último sábado, em Campo Grande. O tenente-coronel Luiz Fernando Carvalho, corregedor plantonista que atendeu a ocorrência, alega que o policial Éder Queiroz Gomes, 35 anos, cometeu crime de ameaça e usou da estrutura da PM para fins particulares, após abordagem ao comerciante Franklin Nunes Martins, de 26 anos. 

Colegas de Éder manifestaram revolta com a prisão considerada por eles como desproporcional aos fatos, e alegam que a suposta vítima usou de influência com parentes policiais para acionar a corregedoria com facilidade.

O corregedor plantonista nega tal versão e afirma que dentro do Código Penal Militar, ameaça é considerada crime contra a administração, passível de reclusão imediata. 

Já a expectativa do comandante do Choque, coronel Marcus Pollet, é de que o sargento seja liberado nesta segunda-feira, durante audiência de custódia. Éder está detido no Presídio Militar, instalado no complexo penitenciário da Capital. 

A confusão teve início na quinta-feira, depois que outro comerciante, amigo do sargento, se envolveu em acidente de trânsito na Rua Panambi Verá, no Jardim Tijuca. O homem, identificado como Eraldo Gomes Patrício Júnior, 27 anos, teria provocado a queda de Franklin da moto, enquanto seguia de carro para o médico. 

A ocorrência não foi grave, mas deixou a moto com avarias. Ambos trocaram telefones para resolver a situação posteriormente, mas não se entenderam. Eraldo passou a ser alvo de ameaças por parte de Franklin que dizia, inclusive, saber onde ele morava, que iria furar o carro dele a tiros e que ele deveria mudar de bairro. Com medo, Eraldo procurou a Polícia Civil na sexta-feira, para registrar boletim de ocorrência.

Temendo por sua integridade, teria alertado também Éder, principalmente porque em áudios enviados, o comerciante dizia que o irmão e o padrasto seriam policiais e que acionaria a corregedoria caso achasse necessário. 

De serviço no sábado e fardados, o sargento Éder e sua equipe foram até a lan house de Franklin. Segundo o tenente Edemair Basílio, oficial superior de Éder no dia, o objetivo do policial foi apenas fazer uma orientação, principalmente porque as ofensas disparadas através das mensagens constituíam crimes e ofensas contra a Polícia Militar de Mato Grosso do Sul. 

Na lan house, Franklin acionou o Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) por meio do 190, alegando estar sendo ameaçado por um policial armado. 

Assim, oficial do 1º Batalhão da PM, que atende a área, deu voz de prisão a Éder e encaminhou os envolvidos à corregedoria. Franklin estava acompanhado da namorada que corroborou com sua versão.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE