PMA autua produtor rural por exploração ilegal de madeira


Uma equipe da PMA (Polícia Militar Ambiental) de Campo Grande realizava fiscalização no município de Sidrolândia e autuou, um proprietário rural por exploração, armazenamento e utilização ilegal de produto florestal especialmente protegido por lei e também de outra espécie sem proteção especial.

Os policiais vistoriaram o lote 100 no Assentamento Jibóia e surpreenderam pessoas construindo um mangueiro para o gado, utilizando grande quantidade de madeira recém cortada das espécies aroeira (protegida) e cumbaru. O produto florestal era explorado sem autorização ambiental DOF (Documento de Origem Florestal) e, consequentemente, sem origem.

A espécie florestal aroeira consta na lista da Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (CITIES). A madeira, que perfez 10,3m³, sendo 7,2m³ de aroeira e 3,1m³ de cumbaru foi apreendida. O produto ilegal explorado havia sido transformado em 50 palanques e quatro esticadores de aroeira e 138 tábuas de cumbaru e parte já estava instalada no mangueiro.

O infrator afirmou que cortou a madeira no seu lote, porém, não existiam árvores cortadas na propriedade. A PMA suspeita que o elemento retirou o material da área de Reserva Legal coletiva do assentamento (área protegida).

As atividades foram interditadas e o infrator de 45 anos, residente no assentamento, foi multado administrativamente no valor de R$ 3,3 mil. O autuado também responderá por crime ambiental. Se condenada poderá receber pena de um a dois anos de reclusão.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE